ÚLTIMAS

Prefeitura de Feira descarta hipótese de dengue na morte do jovem Júlio Vítor

Foto: Reprodução/Rede Social

Após familiares de Júlio Vítor suspeitarem que o jovem morreu de dengue, reclamarem em alguns veículos de imprensa e fazerem protesto em frente a policlínica do bairro Tomba questionando o atendimento, e acusando médicos de negligência, a Prefeitura Municipal de Feira de Santana, através da Secretaria Municipal de Saúde, informou que “não foi dengue, a causa da morte do jovem". Segundo a prefeitura, “dois testes feitos pelo Laboratório Central do Estado da Bahia (Lacen), deram negativo para esta doença”.

Leia o esclarecimento da Prefeitura de Feira:

Não foi dengue, a causa da morte do jovem Júlio Vítor, ocorrida no dia primeiro dia deste mês,  em Feira de Santana. Diante da dolorosa perda, a mãe do rapaz, e a namorada dele, deram declarações na imprensa opinando que ele teria sido vítima da doença, com base em alguns sintomas apresentados.

No entanto, dois testes  feitos pelo Laboratório Central do Estado da Bahia (Lacen), deram negativo para esta doença. 

Havia reclamação, de familiares, de que teria sido prescrito por uma medica um anti-inflamatório, verbalmente, para o paciente, situação  veementemente negada pelas profissionais  que atenderam Júlio. Não  há, em prontuário, indícios dessa prescrição ou orientação. 

A Secretaria de Saúde concluiu a avaliação da condução assistencial ofertada ao paciente em  unidade pré-hospitalar fixa do município.  Após análise minuciosa dos prontuários e entrevistas com os profissionais que o assistiram, não foi observado ação ou omissão dos médicos e enfermeiros que prestaram atendimento ao paciente que possam ter qualquer  relação ao óbito. 

Todas as prescrições realizadas foram condizentes com o quadro clínico do paciente, de acordo com a avaliação do corpo técnico da Secretaria, que ratifica o compromisso com a transparência de seus atos e cumpre seu dever no compromisso com a sociedade. Além disso, renova os votos de respeito aos familiares do jovem Júlio Vitor, nesse momento tão delicado da existência humana.

Nenhum comentário